quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Uma (muito) curta narrativa

Já havia caminhado até a metade da ponte. Tinha uns 60 e tantos anos e não aguentava mais viver. Tinha se tornado desinteressante. Parou. De lá, mirava o Brasil à sua direita. A casa que o desprezava. Não queria mais pensar. Se jogou.

Teria ficado muito satisfeito se a curta narrativa de sua morte terminasse aí.
Não terminou. Um navio que pesquisava sei-lá-o-quê no rio passou em baixo da ponte exatamente quando deveria atingir a água. Estava olhando o rio, desequilibrou, algo assim, foi o que disse. Mas não conseguiu conviver com o fracasso olhando para si todo o tempo. Eliminou as chances de dar errado. Pegou um revólver, trouxe até a têmpora esquerda (apesar de destro) e atirou.

Na próxima vez, lhe darei, palavra de escritor, a morte que queria.

3 comentários:

Nádia disse...

Viver sabendo que posso me matar na hora que quiser, é de certo modo, reconfortante.


Sinistro.

Rafael! disse...

Sinistro nada. É aquela história do "quando quiser, eu paro".

KERO JÁ disse...

http://keroja.no.comunidades.net